quarta-feira, 14 de outubro de 2009

apanhei-te cavaquinho

Ver já é pensamento – elucubrações sobre o olhar.

 

 foto Hermano Taruma

 

Mal de Bordo

                                     d’après Eugênio Bucci

 

 

Enquanto cuido do meu pequeno jardim,

continua uma corrida antiética,

fabricam crimes e bombas,

tratam pessoas como coisa.

 

Somos treinados a copiar,

ensaiar o olhar para trabalhar de graça

e aceder a coisas inexistentes.

 

Temos problemas com a realidade,

deletamos tudo o que é contrário ao nosso desejo

e tudo o que é contrário ao sistema determinado.

 

Relações viram mercadorias,

saúde e educação viram mercadorias,

obras de arte viram mercadorias,

mercadorias viram obras de arte.

 

Enquanto cuido do meu pequeno jardim,

tudo se relativiza,

do poder fetichista da imagem

ao bem comum.

foto Hermano Taruma 

 

 

O Fio Condutor

                                                d’après João Carlos Salles

Desde pequena,

tenho poucas certezas:

gosto de ouvir conversas,

entender os discursos,

tenho problemas com autoimagem,

amo a vida,

a poesia ninguém me tira.

 

Reconheço a fabricação do olhar

à qual a maioria se entrega,

silenciosamente.

 

Águas paradas,

“a imagem desliza como signo”.

 

– Escuta aqui:

seria o gozo segundo Lacan,

ou segundo Waly?

 

Espia, o primeiro não sei resumir,

múltiplo, complicado,

será que entendi?

O segundo,

trata-se da própria escrita.

 

“Vemos diferentemente o mesmo,

como se ver fosse também pensar.”

 

Afinal, “as necessidades se inventam.

O interno precisa de uma confirmação externa.

Ver já é pensamento.”

 

 

 

 

foto Hermano Taruma

Elucubrações

                        d’après Renato Lessa

 

Não tente segurar o carro da loucura.

“Para olhar o mundo tem que sair do mundo.”

 

A evidência comporta um segredo

e vice-versa, também o contrário.

 

Alucinações, decantações, invenções…

Para avançar é preciso um exemplo inexistente?

 

“Os dados não falam,

nós é que interpretamos.”

 

– Acabou?

“Mas se algo é esquecido,

é porque existe.”

 

Título, Apanhei-te cavaquinho, choro de Ernesto Nazareth.

Eugênio Bucci, doutor em Ciências da Comunicação, professor pelo Instituto de Ciências Avançadas da USP.

João Carlos Salles, professor de filosofia da UFBA.

Lacan, Jacques, psicanalista francês, (1901-1981).

Waly, Salomão, poeta brasileiro, (1943-2003).

Renato Lessa, professor titular de Teoria Política do Iuperj e da UFF, presidente do instituto Ciência Hoje.