sexta-feira, 23 de maio de 2014

verdadeiro ra ra ra




Depois do giro absoluto do mercado,
empastelou-se
e nunca mais voltou...

Nada mais previsível
do que a próxima novidade,
além-lugar, fora,
insensível formação,
lançada no mundo
sem licença poética,
sem escolhas,
ansiedade tóxica,
nome e imagem
estratificados 
em unidade
cheia de cheiro, 
nenhum  sabor.


Passeio Incompleto


Mar adentro
pensamentoamparo
permitiria transcender
na retórica do meio,
positivo negativo composto,

seria possível
transformar a permanência,
se existisse força
para além do medo,
não fossem ameaças
tateando as paredes do ventre,
perigo na proa,
estatísticas caudalosas
destituindo o direito,
rota de abandono,
processo de dentro
para dentro,
fora da curva,
fora do eixo
rasas águas 
que afogam,

sem sintaxe
nem existiriam

e depois 
ainda ficaria faltando uma assinatura.


O Homem sem Conteúdo e Passeio Incompleto são poemas inéditos.




foto marcos morteira





O Pleno e o Vazio





Oh se me lembro e quanto.
E se não me lembrasse?
Outro seria minha’alma,
bem diversa minha face.

Oh como esqueço e quanto.
E se não esquecesse?
Seria homem-espanto,
ambulando sem cabeça.

Oh como esqueço e lembro,
como lembro e esqueço
em correntezas iguais
e simultâneos enlaces.
Mas como posso, no fim,
recompor os meus disfarces?

Que caixa esquisita guarda
em mim sua névoa e cinza,
seu patrimônio de chamas,
enquanto a vida confere
seu limite, e cada hora
é uma hora devida
no balanço da memória
que chora e que ri, partida?




Verdade




A porta da verdade estava aberta,
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela.
E carecia optar. Cada uma optou conforme
seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

O Pleno e o Vazio e Verdade são poemas de Carlos Drummond de Andrade publicados em O Corpo, Editora Record, 1984.



foto marcos morteira








título: Meia Lua Inteira de Carlinhos Brown



Um comentário:

  1. Profundeza de palavras, poesia cheia de qualidade! Sempre seu fã.
    Bjs

    ResponderExcluir